O vinho e as mulheres

Desafiado para aumentar a receita de destilados e vinhos especiais  e “escoar” nosso estoque de bebidas envelhecidas, traço uma estratégia de abordagem com nossos clientes do Bar onde os surpreendo com pequenas amostras do que temos em “guarda”.O ideal é termos sempre num Decanter atraente e de tampa de vidro fácil de abrir algum licor ou vinho com potencial de guarda em garrafa onde podemos, em pequenas “provas”, dar a oportunidade de conhecer a nossa cave e tentar deixar um pouco de lado o velho costume do “sim senhor, aqui está…”

Tenho uma atenção especial para os amantes de uma poderosa marca de cerveja quase que imbatível aqui na cidade Invicta, a gigante Super Bock. Antes de servir, tento expor garrafas mais próximas das máquinas de pressão. Com a vantagem da atual estação climática sugerir algo mais quente para relaxarmos, assim não é muito difícil vender o quê queremos, ao menos para aqueles clientes mais abertos a sugestões.

Em nosso grupo, temos muitas visitas de nórdicos, ingleses e franceses que vem em nosso bar em busca de conhecer melhor o Vinho do Porto, o Licor e Beirão e Vinho Verde. E em um desses dias foi uma senhora britânica que roubou a cena da noite.

Na elegância de seus 50 anos, com um olhar cor azul blue label sem gelo, me questionou sobre a famosa cerveja. Mas antes mesmo de atendê-la, disse-lhe que preferiria que ela provasse o velho novo vinho da casa, já com sua respectiva taça em mãos.

A senhora já ouviu falar em Real Companhia Velha? E pegando a garrafa que mais lembrava aquelas usadas por magos lendários que guardavam doces doses venenosas,a mostrei deixando apenas o bom gosto da senhora falar por si. Pois quando trabalhamos com produtos que acreditamos, com qualidade notória de satisfação, o alcance dos objetivos são alvos fáceis de obter, basta falarmos sobre eles.

O Real Companhia Velha 20 anos fez mesmo sucesso em sua taça, chegando a tirar-lhe certo sorriso tímido enquanto lia relaxadamente seu livro no bar. Depois do jantar em nosso restaurante e pedir algo doce para finalizar, percebi que alguma coisa acontece nas mulheres que degustam vinho do Porto e sobremesa, pois vários sorrisos eu testemunhei saídos dali.

No meu primeiro desafio de Bar da semana julgo positivo e progressiva a experiência, pois as ferramentas certas me foram dadas e o produto final desde o início, já começou a ser esculpido!

Bye e até breve,

David Chaves Saraiva

Real Companhia Velha – 250 anos de vinho

Depois de conhecermos algumas das grandes Empresas de vinho do Porto em Vila Nova de Gaia, em sua maioria Empresas estrangeiras com parcerias Portuguesas, não poderia jamais deixar de lhes apresentar aquela que talvez mais orgulho e que me traz como residente neste país que me acolheu como Patrimônio da Nação. Ela é simplesmente a mais antiga Empresa totalmente Portuguesa de Vinhos. No ano de 2006 a Real Companhia Velha comemorou 250 anos de existência e de atividade ao serviço do Vinho do Porto.

Desde a sua instituição, por alvará régio de El Rei D.José I em 10 de Setembro de 1756, muitos outros Reis reinaram Portugal, sendo sua importância e o valor da Real Companhia Velha bem demonstrados ao serviço da Comunidade, assim como os privilégios magestáticos concebidos por D. Maria I, D. João IV, D. Pedro IV, D. Maria II e D. Pedro V, reais soberanos protetores da Companhia.

Na última vez que estive aqui há cerca de 3 anos atrás ao entrar em sua Cave foi como uma viagem ao tempo. Ao invés de enormes tanques de inox modernos e frios ligados a super computadores, o vinho descansa adormecido em belas barricas de Carvalho Francês e Americanos com a luz serena e santa de 7 dias! Maguinífico..

E por minha 2º vez, tenho o prazer soberbo em tirar uma fotografia com a garrafa de vinho do Porto mais antiga do planeta, no subsolo da Cave tão igual e antiga, numa Empresa que além de fabricar Vinho de Excelência, fabricam história!

É impressionante como perdemos por completo a noção do tempo quando nos encontramos num santuário como esses, pois no salão oval do Vinho sou informado que disponho de mais 30 minutos de acesso e que terei um Porto de honra á minha visita.

Acho que a mensagem a ser deixada hoje é de um orgulho sem preço de um produto que se encontra de Norte a Sul do País, mas que nasce de uma Fonte aos pés do rio Douro sob o carinho Paternal e Patriótico de uma cidade que é um charme, invicta e graciosa…

Quanto a mim, deixo um sorriso e um olhar tímido para quem me recebeu e sigo a pé meu caminho de volta para casa. Aproveito e estendo a vocês um convite para numa próxima oportunidade, em breve, fazermos uma das últimas matérias no Douro com uma visita na Quinta de Graham´s e conhecermos o 1º Vinho biológico da Empresa no mercado de Vinho do Porto. Depois de prová-lo, resolvi terminar um “romance” de verão com uma outra garrafa e comecei a “namorar” as Notas de Baunilha, chocolate e um final intenso na boca desse Vinho que certamente, também irá lhe surpreender…

Bye e até breve,

David Chaves Saraiva.