Garçons de Luxo

O que você acha de receber até R$15 mil por mês, apenas para servir cafezinho?

garcon_senado

Os garçons, também conhecidos como assistentes parlamentares que trabalham no Senado, tiram uma média de R$7 mil por mês, podendo chegar até R$15 mil se somados as horas extras.

Eles trabalham exclusivamente no plenário, servindo além de senadores, parlamentares, assessores e jornalistas. Se dividem em duas equipes: os que preparam o café e os que servem o café. Como se candidatar a uma vaga? Seja amigo de algum senador.

A arte do mau humor

Daniel Miranda

Algumas religiões pregam:”Viemos à essa vida para cumprir nossa missão.” Se a minha missão for a que eu realmente estou pensando, precisarei reencarnar mais mil vezes! Porque eu passo o tempo todo trabalhando com algo tão fascinante que até já virou um hobby: a  hospitalidade, a arte do “bem receber”, do acolhimento.

Em dias de folga procuro conhecer novos restaurantes e bares, experimentar produtos e serviços. Mas que serviços? É algo que raramente consigo encontrar. Pra começar a noite, pego um táxi pra poder beber meus drinks. Ao entrar no carro, sou eu que digo “boa noite” e, claro, tenho como resposta do motorista o clássico: “Vai pra onde?”. Pra quê dizer “boa noite”, certo? Ao chegar ao destino somente ouço o valor da corrida. Sem agradecimentos ou coisa parecida.

Ao chegar ao bar ou restaurante, a hostess na porta também não retribui meu “boa noite”. Só sai da boca dela: “Tem reserva?”.  Isso quando os seguranças que mais parecem lutadores de MMA te encaram como o Anderson Silva encara o Sonnen. Já na mesa, não ouço sugestões. Os garçons parecem máquinas de entregar cardápios e tirar pedidos. Uma vez perguntei a um deles por que, em todas as vezes que repôs minha bebida, não retribuiu meu agradecimento: “Com licença, te disse “obrigado” umas quatro ou cinco vezes e nem ao menos ouvi um simples “de nada”. O garçom se sentiu super-ofendido com aquilo e, ao invés de reverter a situação com simpatia e amabilidade, resolveu não mais atender a nossa mesa. Uma pena, pois me considero um good tipper. Pra não falar a vez que pedi mais gelo e recebi a seguinte resposta: “Mais gelo?! Tá muito cheio aqui, assim você me quebra…”. Pode?

Quando saio pra jantar ou beber uns drinks com os amigos, não espero assistir uma aula sobre as principais castas ou as novas tendências da gastronomia. Espero apenas ter uma noite agradável, em que o prato acaba sendo um mero coadjuvante.
Sorrir não dói. Pelo contrário.

garçom-mal-humorado

Chama garçom

Daniel Miranda

“Você sempre tem que levantar a mão para o garçom te atender? Seus problemas acabaram!” Quando li sobre, achei até que era uma daquelas propagandas das Organizações Tabajara, do Casseta e Planeta. Mas não é não. Uma empresa desenvolveu um sistema em que toda mesa possui um dispositivo que, quando acionado, faz com que o relógio no pulso do garçom vibre e indique a mesa que está chamando. A ideia é acabar com o problema do serviço desatento de bares e restaurantes, mas eu acho um tremendo mau gosto e enorme falta de respeito. E o pior é que já existem estabelecimentos usando o aparelho. Seria muito melhor investir em treinamento e qualificação profissional do que “adestrar” os profissionais de Alimentos e Bebidas.

Dicas para aumentar as vendas em seu restaurante!

Daniel Miranda

O papel de um garçom ou maitre é ser um vendedor de imagem, serviço e produto. Para isso, ele deve conhecer bem o que está vendendo, saber descrever os pratos do cardápio, quais são os vinhos e bebidas da carta e como harmonizá-los.

Deve estar por dentro das reservas do dia para criar um serviço personalizado e, nesse caso, chamar o cliente pelo nome ao menos uma vez durante o almoço ou jantar. Deve buscar reconhecer os clientes habituais e saber suas preferências. Vamos ver duas situações muito corriqueiras num restaurante, onde conhecer do cardápio faz muita diferença.

GARÇOM: “Não vai querer nenhuma entrada não?”
CLIENTE: “Como é esse carpaccio?”
Garçom se aproxima, coloca dedo no cardápio e lê a descrição:
GARÇOM: “É uma carne fatiada com parmesão ralado.”

Esse garçom apenas leu os ingredientes. Mostrou não ter o menor conhecimento do cardápio. Vamos ver a forma ideal de apresentar um prato!

GARÇOM: “Gostaria de uma entrada? Um carpaccio de carne?”
CLIENTE: “Como é esse carpaccio?”
Garçom se aproxima e responde categoricamente:
GARÇOM: “Nosso carpaccio é feito com filet mignon cortado na  na ponta da faca, com lascas de parmesão e um molho de alcaparras com especiarias, uma criação do nosso chefe. Ele é servido com torradas de brioche.”
CLIENTE: “Gostei, vou querer!”

Viu? Quando você conhece o que está vendendo, é possível descrever com mais detalhes, passando segurança. Isso faz toda a diferença na hora da venda!

Saber Técnico X Atitude Positiva: O que vale mais durante o atendimento?

Daniel Miranda

O que tem mais peso em um serviço? O saber técnico ou a forma como o garçom interage com o cliente?

É claro que técnica é muito importante, afinal um profissional deve conhecer muito bem todas as regras de serviço. Como cliente, o que você prefere? Alguém que simplesmente sirva pelo lado certo com mal humor, ou alguém que conquiste pela simpatia e torne seu almoço ou jantar uma experiência agradável?

Um bom serviço não está relacionado a um preço alto, e sim a forma como interagimos com o cliente. Servir sorrindo não torna a conta mais cara, nem toma mais tempo do garçom.

A maneira como você se comporta, se comunica e interage, forma em primeiro plano a sua imagem perante as pessoas, assim como a do estabelecimento onde você trabalha.

Atualmente as empresas querem mais do que saber técnico, elas buscam pessoas que se comportam com atitude positiva perante qualquer circunstância. Profissionais que ajudam a criar uma atmosfera agradável de serviço e convívio tornando o dia a dia mais fácil.

A atitude positiva é marcada pelo seu comportamento com clientes e colegas de trabalho.

A forma de agir e de se expressar marcam seu papel no restaurante, assim como acontece com um ator ao interpretar seu personagem.